← Voltar

Slackware! Eu não te abandonarei.

Data: 30/08/2018


"Hoje eu estou escrevendo esse blog como o Jefferson Rocha. Tem xoradinha nessa porra de postagem? Sim. Já aviso que a parada é desabafo nessa porra, todo mundo acha que o meu fanatismo pelo Slackware é faxada mas a verdade é mais além, ele matou minha fome quando NÓS tinhamos muita fome."

Não é de hoje que eu tenho um "certo" fanatismo pela distribuição Slackware. Isso é bom? Não. Fanatismo em algo é sempre péssimo, você não exerga nada além do que você crê e o que você crê você acredita ser mais certo. Me perguntam o por que desse fanatismo, As pessoas não entendem o meu fanatismo e xiitismo pela distribuição mas a historia que eu tenho com o projeto vai muito além de qualquer coisa, o que eu tenho pra te contar que aconteceu em minha vida não não se vê todo dia.
Eu nunca falei sobre o assunto e tentava não abordar sobre o assunto, até por que falar de um assunto o qual quero abordar hoje foi algo "vergonhoso" até o presente momento. Nunca quis tocar no assunto mas vejo que preciso escrever a quem deseja ler. Sou usuário de Slackware desde 2008, desde lá a distribuição me supriu em todos os níveis de um usuário doméstico, sempre com uma alta estabilidade e nada quebra! A não ser que eu deseje que quebre.
Tenho que admitir que o Patrick faz um ótimo trabalho mesmo trabalhando praticamente sozinho.

Desde a primeira instalação foi uma mágia diferente, todas as outras distribuições que eu instalei foram só mais uma e acabei por passar por algumas como Debian, Kurumin NG, Fedora e por último o Slackware. A sensação que tive de poder e tenho ao usar o Slackware é inacreditável, supri tudo que eu preciso no dia dia e a mudou meu conceito de vida! A filosofia KISS a qual o Slackware prega passou a ser minha filosofia de vida.
Sei que pareço um muleque de 14 anos que defende o seu time de futebol e sei que isso não é bom! Afinal como dito logo no inicio deste post, fanatismo nunca é bom!
Mas em fim, o que eu venho deixar aqui vai muito além do fanatismo... Odeio xororozinho, mas vou falar a parada toda que aconteceu, afinal se falar só real motivo de tudo vão me chamar de ignorante.

Em uma época dificil da minha vida no final de ano de 2017 acabei me separando da minha ex-esposa e voltei para o Brasil com apenas uma mala fedida de couro preto e uma roupas. Isso foi em um final de tarde de um sábado, tinha me cansado daquela porra toda e resolvi fazer o que faço de melhor ativei o modo "louco", fui até no banco, saquei os meus últimos trocados cerca de 11.700 ARS (1.450 Reais) +- e fui para o aeroporto. Peguei uma conexão para São Paulo, após algumas horas (Noite toda) embarquei e fui para SP.
Chegando em SP eu peguei um taxi o qual me levou para a rodoviaria, chegando na rodoviaria tinha um velho e grande relogio o qual marcada 06:45 da manhã, comprei a passagem para Blumenau/SC e fiquei mais um tempo esperando o busão.
Nesse tempo um zilhão de coisas passaram na cabeça, coisas do tipo "Porra vô trampa no que naquela cidade pequena", "Não quero voltar para Servidores", "Vou passar fome nessa porra".

Esse era meu pensamento constante "Vou passar fome.", é claro que eu tinha para onde ir a casa da minha velha era o destino principal o destino o qual eu iria me hospedar uns dias e vazar...Os pensamentos pioraram quando embarquei no busão e segui ao longo do caminho, foram umas 8 horas de viagem preso em um busão. Os pensamentos só pioravam mas manti a calma, na separação o que mais me deixou putiado foi que todos meus livros de Linux e programação em Shell ficou tudo na minha antiga casa. Não deu tempo e eu não tinha como trazer os livros, como não tinha um livro na mão, nem celular nem porra nenhuma, eu fui apreciando a paisagem ao longo do caminho.
Chegando no destino a única rodoviária da cidade, engatei minha bolsa leve contendo algumas roupas nas costas e fui andando, chegando em casa umas 19:00 horas +- deparei que não tinha ninguem em casa, a opção foi pular o muro da casa e esperar, esperar por uns 2 dias! Lembro que a comida do dia era bolachas salgadas o qual eu comprei no mercadinho de baixo e antes que você pergunte, aceitam pesos argentinos?
Claro que eu troquei por real o qual fiquei quase duro, já que o peso não vale porcaria nenhuma 4/1.

Passado os dois dias minha velha chegou em casa, foi a surpresa e blablala! Quando vi a situação do negocio fiquei preocupado, minha velha tava na situação péssima de $. O pior que ela é pior que eu, pode fuder a porra toda mas não da o braço a torcer. Não tinha e não iria me avisar da situação precaria que tava acontecendo quando eu estava fora. Na minha cabeça logo passou "Tenho que erguer a porra toda agora, só depende de mim!" Fui atrás de emprego o qual não obtive nenhum sucesso, ninguem me contratava até que consegui um bicão de pintura o qual eu só fiz cagada como era de se esperar. Como um cabra de computadores iria se dar bem pintando? Nunca fui versátil... Sou o pior no que faço de melhor e é só isso.
O dinheiro foi acabando e o pior foi acotecendo, na época eu ainda estava bem ativo no projeto Emmi, para meus companheiros do projeto eu lembro que falava sempre a seguinte frase: "Galera, estou sem internet pois meu servidor está com problemas". Isso na antiga plataforma que utilizavamos o hangouts group. A realidade era bem distante do que eu falava pra eles, a realidade era que tinham cortado a luz, internet? vai nessa. E aos poucos foi sendo cortado todas paradas, só restou a água mesmo o qual ainda tinhamos. Me lembro também que eu ia na lan house imprimir curriculum com algumas moedas no bolso e aproveitava para me comunicar com a galera do projeto, responder o fórum do VOL(viva o linux), responder comentários do meu Canal no Youtube e falar com colegas do IRC do canal #slackware.
Mano, eu queria muito pedir para a galera do projeto ou de qualquer outro lugar "Gente preciso de uma força" Mas o meu "ego" sempre atrapalhou, eu não gosto de pedir ajudar.

Eu não sei qual a macumba que estava na época, sei que nem bico eu tava conseguindo! Como um cara com tamanha vontade como eu não conseguia nada, me perguntava toda noite. E a cada dia que passava o básico da comida ia acabando, foram algumas e algumas refeições de arroz puro cozinhados dentro de uma panela na churrasqueira com madeira que usavamos como "carvão".
Eu não estava conseguindo sair do buraco, cada vez a porra da luz ficava distante a fome aumentava e todo ritmo que eu tinha em Shell e Linux estavam se perdendo! Afinal já tinham se passado 2 meses. O pior é que dois ignorantes que não dava o braço a torcer não pediam ajuda quando necessitava de MUITA AJUDA. Eu e minha velha sempre arranjava uma desculpa, os vizinhos perguntavam nossa por que a casa fica escura? a resposta era a mesma "Economia" quando na verdade não tinha luz...
Tudo que eu vinhamos passando foi ficha perto do que ainda iria acontecer! Minha mãe tinha marcado uma cirurgia fazia 1 ano mais ou menos e caiu a cirurgia logo na pior data possivel a data o qual tinha acabado a comida, isso era em um domingo de noitinha ás 20:00 horas+- o qual se entupimos de remedios para dormir para acordar no dia da cirurgia e não passar fome, já que o que matava a fome era água e mais água!

Acordamos as 03 da manhã, a cirurgia era as 07:00 da manhã! Tinhamos mais um problema, minha mãe precisava ficar em jejum e isso ok foi concluído com exito já que comer o que? Fomos andando de casa para o Hospital, cerca de 9km, com fome pra caralho! Chegando no hospital minha mãe fez os procedimentos e entro pra cirurgia... Fiquei mais aliviado já que ali pelo menos iria ter comida pra ela, a preocupação sempre foi com minha amiga, eu que se foda nunca me importei muito com minha pessoa mesmo.
Fiquei por lá até as 14:00 horas o qual ela não iria ser liberada no mesmo dia, o que era de se esperar. A solução foi voltar para casa, no meio do caminho e meus pés mais fudidos que uma puta eu estava realmente querendo soluções pra vida, a situação o qual eu estava era desesperadora... Sentei em um banco de ponto de onibus cansado e queria só descansar e uma senhora 5 minutos depois sentou do meu lado e acendeu um cigarro. Eu com uma fissura imensa pedi um, começamos a conversa e ela me perguntou o por que da cara de cansado, eu logo falei "Problemas em casa.", ela deu uma risada alta pra cacete onde até eu me senti envergonhado! Depois de um bate papo longo o qual eu não falei quase nada sobre mim afinal eu odeio quem fica xoramingando.
O ônibus o qual ela iria pegar, o ônibus parou e quando ela tava quase subindo no ônibus puxou da carteira 10 Reais e me deu, junto com o dinheiro 2 cigarros de brinde.

Quando ela estava no 2 degrau da escadinha do ônibus ela falou: "Vai atrás do que você faz de melhor que tudo se resolve."
Eu não sou de acreditar em coisas de outra dimensão mas aquela senhorinha sem saber de nada da situação me falou algo que mudou todo o processo da minha vida! Foi graças a senhorinha que aquela frase ficou na minha cabeça pelos restos 4~5km que eu tinha que continuar a percorrer até chegar em casa e tive a brilhante ideia "VOU IMPLEMENTAR O SLACKWARE EM SERVIDORES DE EMPRESAS E VOU OFERECER SUPORTE JUNTO!"

Naquele dia apesar de todo cansaço eu parei no mercadinho da esquina e comprei com cautela alguns alimentos afinal a minha ideia era matar a fome em primeiro lugar e precisava de dinheiro para fazer o "Quase impossivel" naquele mesmo dia. Com umas comidas na sacola "pão seco" voltei pra casa feliz pra CARALHO, depois de um rango satisfatorio aquele pão era a melhor coisa do mundo, eu fui tomar um banho renovador de água fria, botei a melhor roupa que tinha no momento e fui de cara na lan house, me sobravam dos 10 reais da senhorinha 5.55 R$, pedi um DVD que custava 2.50 R$ e pedi 30 minutos em uma máquina, baixei uma ISO do Slackware64 versão 13.37 e queimei com YUM no Windows.
Sai da máquina correndo pois já era quase 16:00 horas e fui correndo para uma pequena empresa que ficava no mesmo bairro. Chegando lá eu fiz o que eu sei de melhor, usei uma simples engenharia social na secretária, eu precisava saber se ali tinha algum tipo de servidor ou não, se não tinha não havia necessidade de perder meu tempo ali.

--"Boa tarde!" - Olhei para o crachá, "****, tudo bem? seguinte o servidor de vocês está com problemas ainda?"

"Servidor? hmm bom preciso chamar o **** que é do setor para checar, o senhor é o? de..."

--"Jefferson Rocha, da empresa " - Preciso de um nome rápido "Blemmi Security."

"**** O Jefferson da Blemmi Security está aqui! tem um tempo?"

"Só um minuto SR Jefferson, o **** já está vindo."

--"Ok."

Passou um tempo e eu ali matando um cafézinho preto, confesso que fiquei com medo de ele pedir algum tipo de identificação, afinal a minha identificação era um DVD com o Slackware ali queimado.

"Olá Jefferson, em que posso lhe ajudar?"

Eu pensei em jogar um verde e insistir na ideia de saber o que usavam de servidor ali no local, mas pensei rapidamente em uma jogada direta.

"Bom que sistema vocês usam ai no servidor de vocês? Eu sou Sysadmin, e faz pouco tempo que voltei para a cidade. Estou fazendo uma pesquisa para apresentar o sistema mais estável que vocês já viram."

Papo fluio muito bem, falei da experiencia com Linux e ele ficou admirado já que era um profissional Windows. Me levou para o administrativo para mostrar o pequeno bebê da empresa um Servidor Dell Poweredge T130-a2 desligado por ali! O papo foi bem longo, apresentei todas as caracteristicas do "Linux" para ele, falei da distribuição Slackware do poder que ele iria ter nas mãos e que eu iria oferecer todo suporte possível para eles.
Ele falou que tinha que ver com o dono da empresa e pediu para aguardar. Eu não sou de ficar rezando mas naquele momento eu pedi muito para aquele negocio dar certo eu precisava muito de dinheiro e era 17:20 já, se eu conseguisse fechar um negocio como esse poderia ser o fim do buraco para eu e minha veia.

Psiu, olhei e tava lá o cara que iria me ajudar, ele só fez o gesto com a mão de "VEM". Fui para o escritório do poderoso chefão e falei tudo que eu tinha falado para o ****, e expliquei para o dono da pequena empresa, o dono que se chamava Ro (Nome simbolico para falar nesta postagem) prestou atenção pra caramba e no fim me disse assim:

"Qual o valor do serviço que você vai prestar? Será mensal ou só quando fazer a chamada?"

800 Reais para a instalação do sistema com Backup + Palestra para o pessoal do T.I, se precisar que ensine uma linguagem do próprio sistema "Shell no caso" eu ensino a base também.

Eu sabia que não tinha mais ninguem além do **** afinal a empresa era pequena e tinha mal mal um dell por lá para fazer todo o processo da empresa. Sabia também para quem tinha só pão seco em casa, sem luz e sem net eu atirei alto em pedir 800 reais, mas os velhos tempos eram assim... Quanto mais baixo se atira menos eles confiam no trampo e aqueles 800 reais iria ser a salvação!

"Vem amanhã cedo ás 07:30 para instalar esse sistema no servidor, Backup não precisamos o servidor é novo, só precisamos do sistema mesmo e o treinamento para o ****"

Ótimo senhor... amanhã de manhã vou estar aqui.

Fui para casa feliz pra cacetão, fechei o primeiro negocio! Os 800 reais iriam entrar e o rumo da vida iria começar a melhorar! É claro que tudo que aconteceu eu resumi aqui, quem me derá que fossem poucas palavras assim, eu tive que realmente convencer o dono para conseguir sucesso! Isso durou 1 hora + e só dava eu falando. Nunca falei com tanta vontade de conseguir algo na minha vida como esse dia. No outro dia eu fui lá e fiz todo o processo que precisava ser feito e continuei prestando suporte para essa empresa por 1 ano quase, após isso minha vida começou a mudar e tive bastante sucesso em oferecer o Slackware em pequena/Médias empresas! Claro que levei muito não, fui em quase 60 empresas e consegui fechar com 5.

Depois de toda essa história que você leu eu quero que você entenda o por que do meu fanatismo com o Slackware! Foi ele que me tirou da merda, foi ele que me matou a fome quando eu estava com muita fome. E você pode falar "Por que você não trabalhou com qualquer coisa?" Por que até o "QUALQUER" coisa eu não estava conseguindo, eram só portas fechadas na cara e um tchauzinho de consolação.
Se não fosse o conhecimento que obtive com Slackware e a paixão pelo mesmo, talvez não iria conseguir matar a nossa fome, a paixão me ajudou muito naquele momento já que eu falava com "GOSTO" do projeto. Nunca jamais irei abandonar o projeto, eu afundo junto com o barco, não sou o capitão mas sou o marujo fiel. Não pulo fora jamais! Eu tenho uma divida com o projeto o qual eu jurei que iria passar sempre conhecimento do mesmo a qualquer pessoa.

O Slackware foi a minha escada para sair do poço, ele foi a ferramenta que me ajudou a ir adiante, sem essa ferramenta o Slackjeff não existiria hoje mais, talvez. Minha eterna gratidão ao projeto, VIDA LONGA AO SLACKWARE.
Depois disso eu consegui me reerguer, hoje eu dou aulas presenciais de programação em Shell/Linux básico, dou aulas particulares online e também vivo de cursos. Não ganho muito mas o que eu ganho da pra manter eu e minha velha, claro.
Eu odeio falar da minha vida pessoal, afinal todo mundo já teve problemas e quem sou eu pra ficar ditando mais problemas para as pessoas? Pessoas gostam de ver instagram cheio de comidinha cara, champagne de 600 reais e ostentação. Ai vem um cara do Linux falar sobre probleminha! Quem ta ai para isso? ninguem, mas mesmo assim eu prefiro escrever para ficar registrado essa parte da minha vida e deixar memorizada! Afinal eu ainda tenho dias ruins e quando bater um dia ruim é bom eu vir ler isso aqui pra lembrar que já tive dias piores e uma simples distribuição medieval, inutilizavel e com um desenvolvimento lento, como muitas e muitas pessoas falam matou a fome desse brother aqui.

#SlackwareAtéOsOssos